quinta-feira, 7 de junho de 2012

Epicondilite

Epicondilite é uma palavra que, se levada ao pé da letra, significa inflamação no epicôndilo do cotovelo. Os epicôndilos são suas protuberâncias ósseas lateral e medial. Entretanto, a inflamação ou degeneração ocorrem mesmo é nos tendões da musculatura flexora e extensora do punho e dedos que possuem suas origens nesses epicôndilos. Por esse motivo dá-se o nome de epicondilite, pois a dor, normalmente, se inicia nessas protuberâncias.

Existem dois tipos de epicondilites: medial para o epicôndilo medial e lateral para o epicôndilo lateral. A epicondilite medial envolve os músculos flexores e é mais comum nos jogadores de golfe. Já a epicondilite lateral é a inflamação dos tendões da musculatura extensora, atingindo jogadores de tênis e/ou squash.

Estas afecções são causadas por atividades que exigem o uso excessivo dos músculos do punho e dedos. Elas provocam dor na região lateral ou medial do cotovelo, tornando-as sensíveis ao toque e, muitas vezes, extremamentes dolorosas para a prática de atividades cotidianas, como pegar uma garrafa. Quem mais sofre são as pessoas que fazem movimentos repetitivos ou se utilizam de equipamentos mal adequados, como por exemplo: digitadores, dentistas, escritores, jornalistas, professores que escrevem muito em lousa, donas de casa, profissionais de limpeza, jogadores de golfe, squash e tênis.

O termo tennis elbow ou cotovelos de tenista é o mesmo que epicondilite lateral e o termo cotovelo de golfista é o mesmo que epicondilite medial, devido aos movimentos realizados repetidamente nestes esportes que desencadeam dor e lesão na musculatura correspondente.

Essa inflamação é causada por movimentos repetitivos provocando, primeiramente, dor leve que se inicia na região lateral ou medial e vai se instalando aos poucos, se tornando intensa, persistente e podendo irradiar para o antebraço, punho e mão. Sobretudo em casos mais graves, ocorre perda de força no braço de modo a não conseguir levantar um copo sequer. Em atletas, geralmente, o início é repentino e rápido.


Qualquer um que apresente estes sintomas deverá procurar um ortopedista. Um teste simples será feito pelo médico e de maneira quase infalível chegará ao diagnóstico, já que este é normalmente clínico, apesar de poder ser comprovado também através de uma ultra-sonografia ou mesmo uma ressonância magnética. A exceção está no comprometimento do nervo Radial, que também poderá reproduzir os sintomas da epicondilite lateral. Um exame chamado eletroneuromiografia poderá confirmar se há compressão deste nervo.

O tratamento pode variar de conservador a uma intervensão cirúrgica. Incialmente, as recomendações dadas pelos médicos começam da forma mais simples, às vezes, com indicação do uso de antiinflamatórios. A fisioterapia nestes casos varia entre diferentes procedimentos utilizando desde o gelo e técnicas como Crochetagem Mioaponeurótica e Bandagem Funcional a exercícios de alongamento e fortalecimento muscular. Podem ser feitas também manipulação da cervical, acupuntura e infiltração de corticóides. Quando necessário, se utiliza um brace para melhorar o repouso desta região e facilitar a recuperação, principalmente em atletas. A intervenção cirúrgica é realizada apenas quando não há resultado nos outros procedimentos e a dor é persistente.

É extremamente importante lembrar de fazer as devidas correções do posicionamento do corpo, adequando a postura e equipamentos, tanto no esporte quanto nas atividades do trabalho e cotidianas. Deve-se observar a posição da cadeira em relação à mesa de trabalho e do braço em relação ao teclado, para que a lesão não aumente ou mesmo não volte a incomodar depois de tratada.

A prevenção para as epicondilites está relacionada com os alongamentos, adequação da postura no trabalho e esporte, uso correto da raquete de tênis ou squash e tempo de intervalo para que, após períodos corridos de trabalho ou treino, a musculatura possa ter o repouso necessário para descansar.

Qualquer dúvida estou a disposição!

Ótima semana a todos e até a próxima!

Um comentário:

  1. Boa noite Dra.
    Estou com um sério problema, há mais ou menos 4 meses senti dores no cotovelo esquerdo praticando musculação, as dores eram mais intensas quando fazia exercicios para triceps, parei com a academia, tomei varios antinflamatorios e uma infiltração receitados pelo ortopedista e nada de melhorar ao contrario as dores começaram a aparecer do cotovelo direito. Sendo assim fui encaminhado para realizar utrasom e raio-x, foi diagnosticado epicondilite bilateral (2 cotovelos), medial (golfista) e lateral (tenista).Dei inicio ao tratamento convencional, realizei 20 sessões de fisioterapia com laser e tens e alongamentos, paralelo a isto por indicações, tb fiz 7 sessões de osteopatia, onde foram realizados muito alongamentos e manobras tanto na cervical como nos proprios membros afetados, o tratamento estava indo bem, porém comecei a sintir muitas dores nos pulsos e tb certa dormencia do dedo polegar, tenho frouxidão ligamentar o que já me deu problemas com os ombros q só melhoraram com o fortalecimento dos mesmos com treino de musculação, paradado a 4 meses tb estou sentindo os ombros bem mais instaveis.
    Seria o mais indicado alongamentos para quem já tem frouxidão ligamentar ?
    Desculpe o tamanho do comentario mais estou precisando de ajuda e opniões para me curar o mais rapido possivel,
    Muito Obrigado, agurado retorno!
    Thiago Pereira

    ResponderExcluir